5 lições para 2016 que nós, empresários, não podemos esquecer

O ano de 2015 foi difícil mas de muito aprendizado; afinal, tivemos de fazer muito mais para conseguir manter o mesmo resultado do ano anterior. O cenário econômico não foi favorável, a renda disponível tende a cair, as projeções colocam a inflação próxima dos 10% e a taxa de juros continua no patamar de dois dígitos. Observando as projeções no mercado, vemos que a mais otimista espera um cenário “menos pior”, contando com grandes reformas políticas que, pelo histórico brasileiro, são difíceis de se concretizar.

O que nós, empresários, podemos fazer por nossos negócios em 2016? Aqui vão cinco conselhos que cabem em qualquer situação, especialmente as difíceis:

 

  1. Planejamento estratégico

Como todo final de ano, devemos nos planejar para o próximo. Esta é a época para se reunir com os sócios e traçar o planejamento estratégico para o ano seguinte. Definir metas, quais produtos focar, quais investimentos, melhorias na estrutura e mudanças fazer para cumprir as metas estipuladas.

É preciso fazer o planejamento financeiro do próximo ano atendendo aos objetivos especificados no planejamento estratégico. Não se esqueça de levar em consideração o cenário econômico do próximo ano. Foque no que pode ser feito para minimizar o impacto da crise no seu negócio.

 

  1. Negociação com fornecedores

O cenário econômico instável afeta a grande maioria dos setores, desde indústrias até a padaria da esquina. Utilize isso como uma oportunidade de firmar o relacionamento com seus fornecedores e obter melhores negociações.

Fornecedores de serviços ou produtos estão passando por dificuldades também. Negocie com eles condições especiais. Cada vez mais os consumidores estão exigindo melhores preços combinados com mais qualidade. Cuidado com a margem de lucro para manter a saúde financeira.

No ano de 2015, os varejistas conseguiram, por exemplo, boas negociações no aluguel. Em alguns casos, isentaram as luvas e tiveram benefícios na montagem da unidade.

 

  1. Melhoria de processos

Em anos difíceis, devemos olhar para dentro de casa e focar na melhoria de performance. Se sua empresa já estipula metas de desempenho e realiza os devidos acompanhamentos, você está meio caminho andado. As incertezas externas à empresa são muito mais difíceis de serem controladas; então priorize seus esforços no que está ao seu alcance.

O slogan de 2015 foi “fazer mais com menos”. A redução de custos esteve presente em todos os portais de negócios; a melhoria de processos, a coadjuvante.

As empresas brasileiras não têm o hábito de dedicar um tempo considerável, às vezes não dedicam tempo nenhum, ao acompanhamento e à implantação de novos processos. Elas também não têm um significativo histórico em inovação de processos, pois a taxa de juros alta encarece o investimento, e há poucos incentivos públicos.

Para se destacar no mercado, muitos negócios buscaram rever seus processos e traçar planos de ação visando mudanças que aumentassem a produtividade, melhorassem o engajamento com os clientes e funcionários; reduzissem custos e despesas e minimizassem riscos operacionais. No próximo ano, será preciso continuar focado em “arrumar a casa” e trabalhar na motivação da equipe. Nenhuma mudança é fácil de ser absorvida, mas deixe claro que todas têm o objetivo de facilitar e melhorar o que está sendo feito atualmente.

 

  1. Inovação e relacionamento com os clientes

Os clientes estão se tornando a cada vez mais exigente quanto à qualidade do produto e dos serviços, assim como prazo de entrega, ações sustentáveis da empresa e diversas outras coisas. Então, os empresários têm muitas coisas para se preocupar, ainda mais quando a renda disponível está menor.

A alta inflação corrói o poder de compra dos consumidores, tornando-os mais analítico ao comprar algo. Um comportamento totalmente compreensível. As empresas devem agregar maior valor ao seu produto/serviço de forma que se torne vantajosa sua aquisição.

Na teoria é simples, mas quando colocamos diversos concorrentes nessa conta, fica mais complicado. Está cada dia mais difícil fidelizar o cliente e ainda mais difícil conquistar novos, mas há dois fatores que não mudam nessa conquista: inovação e relacionamento. Os consumidores querem novidades. Inove nos produtos, entenda o mercado, seus consumidores e se destaque dos concorrentes.

Inovar, mas não mostrar a inovação para seus clientes restringe e minimiza a possibilidade de sucesso. Nesse momento, entra o relacionamento. O marketing, ou como você chega até seu consumidor e se comunica, é extremamente importante para a conquista e fidelização. Em um mercado onde todos estão buscando pelo cliente, o relacionamento em redes sociais e mídias convencionais será um diferencial que será pesado pelo consumidor.

 

  1. Sobreviva

Quanto mais momentos difíceis a empresa superar, mais fácil será transpor os que virão. Os economistas projetam retorno do crescimento econômico a partir de 2017. Quem estiver mais preparado retomará com mais força. Quanto melhor trabalhar os pontos mencionados acima, melhor estruturado estará.

 

Tenha uma visão de médio prazo; não pense nas dificuldades de curto prazo, mas na facilidade que terá no longo prazo.

Alex Vigatto
Alex Vigatto
Economista e especialista na área de planejamento de negócios, já atuou como consultor em mais de 50 projetos de franquias e pesquisa de mercado.

Comments are closed.

//]]>